Somos uma empresa social que desenvolve projetos voltados à saúde mental, bem-estar e empoderamento de mulheres em situação de vulnerabilidade social. Desenvolvemos projetos sociais junto com mulheres situadas em contextos e comunidades periféricas e também voltados para instituições que prestam atendimento a esse público. Oferecemos, ainda, cursos de capacitação para projetos sociais e empreendedorismo social voltado para mulheres da sociedade civil interessadas em intervir socialmente na transformação da vida de mulheres marginalizadas.

O que somos?

Porque existimos?

Existimos porque acreditamos que mulheres agindo com outras mulheres têm a capacidade de intervir socialmente para que todas tenham o direito a uma vida sem sofrimento. Existimos porque reconhecemos as dificuldades sociais e precariedades vividas por milhares de mulheres marginalizadas pelo mundo e como isso impacta em sua saúde mental. Ao mesmo tempo, reconhecemos a importância destas mulheres como a base de nossa sociedade e a capacidade de transformarem sua realidade. Existimos porque acreditamos em nosso trabalho, lado a lado com essas mulheres, para intervir socialmente e coletivamente em favor de uma vida digna a quem historicamente foi marginalizada.

O que queremos?

Queremos tecer uma rede de conexão engajada em construir coletivamente estratégias para que a realidade cruel que atravessa a vida de mulheres marginalizadas seja transformada. Acreditamos na solidariedade como sentimento fértil para fazer brotar, de solo árido, possibilidades de uma existência digna e politicamente ativa. Queremos que essas mulheres sejam reconhecidas enquanto agentes fundamentais em suas comunidades e que tenham a possibilidade de transformar suas vidas, alcançando condições dignas de uma vida plenamente humana. Para isso, queremos agir coletivamente ouvindo, ensinando, aprendendo, criando e construindo projetos capazes de intervir nessas realidades.

No que acreditamos?

Acreditamos na importância que as mulheres mais oprimidas e marginalizadas ocupam na base de nossa sociedade: sem elas, nada poderia existir. Acreditamos, por isso, que quando elas forem ouvidas e tiverem acesso pleno aos direitos sociais, todas as demais minorias também serão atendidas e toda a sociedade viverá melhor. Cada uma dessas mulheres, historicamente silenciadas, guarda uma singularidade na qual acreditamos ser fundamental na construção plural de estratégias para combater as violências que sofrem diariamente. Acreditamos no potencial de transformação política que cada uma dessas mulheres carrega e que pode ser realizado quando trabalhado em conjunto com outras mulheres. Acreditamos no trabalho pautado na coletividade, na amorosidade, no cuidado com as relações, na transparência e na seriedade.

Onde queremos chegar?

Queremos que toda mulher, hoje em estado de vulnerabilidade social, tenha acesso a direitos, sobretudo à saúde mental, à possibilidade de uma existência digna. Queremos, um dia, que a saúde mental das mulheres encontre um lugar privilegiado entre as políticas públicas. Nosso desejo é, assim, ver emergir a construção democrática de um mundo justo, harmônico e amoroso através de uma revolução afetiva.

cuidar

154128743_2803374089933420_1998531807036101928_n(1).jpg

À frente do Íntimo Colorido está Priscila Dias, ela é uma "Terapeuta Social”, graduada em Psicologia pela PUCPR (2009), em Filosofia pela PUCPR (2013). É Mestre em Intervenção Social, Inovação e Empreendedorismo pela Universidade de Coimbra (2020), onde hoje também desenvolve seu doutoramento em Estudos Pós-Coloniais.
Para ver currículum completo acesse
aqui.

Quem faz 

Mariana Naccaratti

Bárbara Domingues

Micaela Alexandra

Marina Borges

Carolina Hashimoto

Morena Cardoso

Mayara Santarem

Lua Marinho

Andrea Silveira

Bruna Gomes

Cláudia Vieira

Luciana Guimarães

João Macul

Felipe Machado

Marli Luisa

Neuzi Barbarini

Vanessa Santana

Alessandra Vieira

Amanda Faccioli

Steve Troupen

Maíra Brito

Jamilly Wesgueber

Silvia Patzsch

Simone Simonato

Iara Guimarães

Maria Ravazzani

Thais Dias

Agradecimentos:

Por onde já passamos: