E se tivéssemos todas as mesmas oportunidades? Acreditamos que, desta forma, o mundo se transformaria em um lugar melhor. Por isso, o Íntimo Colorido caminha pela construção de uma vida mais digna a todas. Nossos projetos são voltados ao empoderamento de mulheres que se encontram em condições de vulnerabilidade social diversas – mulheres em situação de rua, refugiadas, privadas de liberdade, idosas, residentes em zonas rurais, entre tantas outras.

Sabemos que as mulheres consideradas as mais excluídas e desvalorizadas, dentro da escala de privilégios da estrutura patriarcal, são aquelas que, no dia a dia, enfrentam maior número de situações de opressão e/ou exploração. Sendo assim, é para elas que o Íntimo direciona seu olhar. Atuamos para combater a invisibilidade social vivenciada por muitas delas.

Por meio de nossos projetos, buscamos promover às participantes espaços de convivência com teor de acolhimento, partilha de vivências, fortalecimento de vínculos e identidade comunitária.

Durante nossas práticas, estimulamos a valorização de si e do pensamento crítico. O que, indiretamente, reflete em uma mudança material e histórica, que inclui aumento de autoestima, autonomia e protagonismo.

 

A transformação é coletiva

O Íntimo Colorido acredita que, seja no Brasil ou espalhada pelo mundo, uma revolução está a caminho. Mas ela somente será possível com criatividade e a colaboração entre mulheres. Já que, juntas, ombro a ombro, somos capazes de produzir grandes transformações.

Por isso, em seus trabalhos, o Íntimo convida outras vozes femininas, que têm em comum o interesse pela construção de um novo modelo de sociedade, para a elaboração coletiva de estratégias de combate a preconceitos e estigmas que afetam, em variadas proporções, mulheres de diversas partes do mundo.

Quem faz:

Priscila Dias é interventora social, e uma "mulher em situação de privilégios” como prefere se lembrar sempre. Graduada em Psicologia e em Filosofia, ambas pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e mestranda em Intervenção Social, Inovação e Empreendedorismo pelos Departamentos de Psicologia, Sociologia e Economia da Universidade de Coimbra, Portugal. É interventora social e responsável pela Organização Social Íntimo Colorido, que combate violências, estigmas e invisibilidades de mulheres que se encontram em vulnerabilidade social, com o objetivo de contribuir com estratégias de empoderamento e enfrentamento comunitário das inúmeras dificuldades que muitas destas mulheres vivenciam. Iniciou, em 2009, sua trajetória profissional no Brasil trabalhando como Psicóloga no SUS (Sistema Único de Saúde), no CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) e na APAE com portadoras de necessidades especiais. Atuou como Professora de Filosofia em periferias e zona rural, além de ter sido colaboradora de diversas ONGs. Liderou experiências de atuação com empregadas domésticas, obesas mórbidas, soropositivas  e prostitutas, meninas em situação de abrigo, mulheres em hospital psiquiátrico, dependentes químicas, caiçaras, mulheres rurais, idosas, detentas em cadeia feminina, dentre outras. Na Europa, elaborou ações voltadas a mulheres em situação de rua em Dublin (Irlanda), atuou com mulheres refugiadas em Dunkerque (França) e já esteve em visita a projetos com mulheres na África (Marrocos e Kenya) e Ásia (Índia, Bangledash, Vietnã e Tailandia). Feminista, com apenas 33 anos, acumulou experiências e vivências que julga não serem relevantes somente para sua "trajetória profissional” ou para o seu “currículo”, como muitos consideram, mas que alteraram-a por inteira como pessoa, mulher e cidadã. 

“Minha luta é por algo básico, para que essas mulheres sejam respeitadas tanto quanto eu, para que elas possam ter os mesmos direitos que eu tenho. Faço das minhas utopias o meu trabalho diário.

(Priscila Dias)

Currículo aqui

+351 917757315